domingo, 16 de agosto de 2009

42

Escrever.
Selecionar tudo. Deletar.
Escrever.
Selecionar tudo. Deletar.

E eu, que fico buscando a perfeição inatingível do post. Um post à altura do tema do blog. Um post à altura de você e de todas as coisas que você me ensina. E que você aprende. E que você apreende.

E hoje eu queria falar de como foi o almoço da minha família. De como certas coisas me incomodam tanto. Me incomodam cada vez mais. Os pequenos preconceitos travestidos de piadas, os velhos ditados e lugares-comum, a tia que acredita em ficar ao lado do homem que escolheu a vida toda doa a quem doer versus a prima que separou do marido para buscar a felicidade. Realidades tão longe da minha... e eu tão longe de todos eles.

E você que sorri e diz "criei um monstro!"

E eu que faço bico de criança mimada, pensando que o feminismo dentro de mim não nasceu com você não. A revoltazinha dentro de mim não é um eco da sua não!

Então paro e penso. Paro e penso que você não criou um monstrinho não. Você criou luz. Você criou vida. Você criou significado para toda uma existência de incertezas. Que você transformou em coisa material, palpável, a sensação de não-estou-sozinha. A sensação de mentes que caminham unidas. Corpos que pulsam em uníssono.

Que não vou repetir os erros de gerações passadas e posso descansar meu coração revoltoso. Que tenho tudo que sempre desejei: diálogo, companheirismo, amor, sintonia.

E nós compartilhamos ideais. Idealismos. Ideias. E o travesseiro, o cobertor, o calor das mãos e o sabor dos lábios.
A cabeça e o coração.

E é isso que faz ser tão gostoso com você. E esquecer que o mundo é tão complicado. Esquecer que é uma luta diária estar com você.

Amor. Tanta gente por aí procurando feito louca, e eu, justo eu, fui achar da maneira mais deliciosa e confortável possível.

E eu, pronta pra escrever um post-palanque sobre o almoço em família, acabei escrevendo um post-romance sobre você.

É. Esse post não saiu nada do jeito que planejei. Mas hoje, ele é pra você. Só pra você.

Feliz um ano e meio, gata. Te amo. Assim, pra sempre.

3 comentários:

P. June disse...

Não precisa buscar a perfeição. Muito menos se for pra mim. Você é a minha imperfeição perfeita, como só você poderia ser.

Criei luz e vida não, só ajudei a sair. Tava tudo dentro de você já, você que num via.

Você deu significado pras minhas incertezas também. Eu e você, dois bixins em uníssono. E só você é que vai entender.

Te amo pra sempre, minha linda! Meu 42.

Feliz um ano de meio mais feliz do universo!

L. D. disse...

Ai gente, que LINDAAAAASSSS!!!

Fazia um tempão que eu não passava por aqui, e fikei muito feliz só de ler esse post, ultimamente, as pessoas que eu conheço não sabem mais o que é amor, eu fiko MUITO FELIZ em saber que existem pessoas que ainda são capazes de sentirem isso. ^^

Parabéns pra vcs duas, e muitos e muitos anos de felicidades. A gente vive mesmo numa realidade muito distante de famílias e tudo o mais, a gente vive coisas que nossos pais nunca vão entender.

Beijos!

=***

Denise Zimmer. disse...

Sabe, meu negócio são machos mesmo; mas... sinceramente acho ridículo e idiota esse preconceito que só atrasa o amor das pessoas. Bem lindo e felicidades.

 
Blogger Templates by Wishafriend.com