segunda-feira, 8 de junho de 2009

A arte de prestar um desserviço ao mundo

Momento ignorante do dia.

Estava eu, linda e ruiva chegando ao meu local de trabalho-das-segundas-feiras (porque gente, técnico de rádio e tv nunca tá no mesmo lugar) quando vejo que os alunos da instituição (sim, trabalho em uma universidade privada) haviam feito trabalho sobre diversas "tribos" e uma delas era...dos travestis.

Travesti? TRIBO? ...Ok.

Havia uns painéis espalhados pelo campus com góticos, chicleteiros, surfistas...e o dos travestis me chamou a atenção, por motivos óbvios. Cheguei mais perto para ler e... oh, my goddess. O que era aquilo? Pra começar, o texto do painel estava cheio de erros ortográficos - o que já, em si, é um fato triste para um trabalho de alunos do ensino fucking superior.

E lendo mais, vejo verdadeiras pérolas como "travestis são homens, mas que gostam de ser colocados no sexo feminino" e "eles fazem cirurgias e tratamentos para parecerem mais mulher, mas fazem o papel tanto de ativo quanto passivo".

E no final, a verdadeira frase de horror e asco: "A discriminação aos travestis não tem nada a ver com a discriminação das mulheres, é mais por eles se comportarem dentro do sexo feminino."

OI? De que maneira essa frase faz sentido?

Se eles são discriminados por quererem parecer mulher, é lógico que há uma certa discriminação de gênero. Aliás, eu acredito que a homofobia e a discriminação de gênero estão intimamente ligadas. Não é querer justificar tudo com "os homens odeiam as mulheres", mas porque a famigerada distinção de gênero é uma das mães da homofobia. Porque gays afeminados são mais "detestáveis" do que gays "discretos"? Porque uma mulher sapatão é feio, as duas lésbicas femininas se beijando é lindo, é sexy, é a fantasia de todo homem?

Porque a sapatão se nega a se pôr no lugar dela e ser mulher, ir fazer cabelo, comprar maquiagem e falar de novela. E a "bichinha", por sua vez, falha em ser macho, homem, e acaba se diminuindo a uma condição próxima daquelas menores, as mulherzinhas.

O que me deixa puta da vida é esse malfadado trabalho não ter se preocupado em analisar 1- os travestis, 2- o movimento LGBTT em geral e 3- a condição social da mulher. E acaba falando merda e cagando nos 3 quesitos.

HUMPF.

---

E pra falar de coisas mais felizes, eu e a Pê estávamos passeando pela Paulista hoje, na hora do almoço, e vimos que ela já está sendo preparada pra Parada! O arco-íris inflável já foi colocado no alto do Conjunto Nacional. E está tão bonitinho! Eu não tive uma boa recordação da Paulista nesse final de semana (quem me conhece sabe que estou sempre lá, amo esse lugar, mas nesse sábado acabei tendo meu celular roubado na esquina com a Augusta), mas ver o arco-íris de novo resgatou meu amor por aquele lugar.

Não vejo a hora de chegar dia 14. De bandeirinha na mão e pulseirinha no braço, né Pê? Super romântico se beijar no meio da Parada e saber que você também tá colaborando com o movimento!

Confiram a programação!

---

E só mais um comentário: viram a cena lésbica (cof cof) de Poder Paralelo? Ainda não? Pois deem uma olhada:



Sofrível, não? Absolutamente nada de mais, mas demais já pra uma emissora como a Record. O grande problema, pra mim, é o diálogo risível. Quem diz aquelas coisas na vida real? E meu, jogo perigoso?
Só vale postar mesmo pelas caras e bocas de Paloma Duarte. Vá, ela tem um sex appeal enoooorme!

4 comentários:

Bru disse...

Aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiinn... Sofriiii...
Gente, nao tem nada melhor do que esse jogo..sou MIL vezes assistir cenas assim do que aquele sexo nojento de filmes porno.

Adorei

C. June disse...

Isso é muito verdade, Bru. Sou muito mais cenas assim que porn total.

Erotismo é muito melhor que pornografia! ;)

P. June disse...

A ignorância jovem me deprime. A ignorância em geral, mas a jovem em particular. É impressionante como nossas mentes pensam da mesma forma. Achei o post o máximo, ótima reflexão!

E yay! Parada domingooo! =D

Achei a cena de Poder Paralelo legalzinha pra uma novela. Ah, amor, é novela. Em novelas as pessoas nunca dizem coisas que diriam na vida real. Jogo perigoso, bla bla bla. A Paloma Duarte é uma gata, charmosíssima. O roteiro é ruinzinho, mas a idéia não foi das piores. Toda abertura é uma abertura, afinal.

Anônimo disse...

Ai! EU que não gosto de novela me senti mal por ter perdido isso!!
Ainda bem que vc postou.
Nada mal para uma rede nacional.

 
Blogger Templates by Wishafriend.com